Responsabilidade dos pais na formação religiosa dos filhos

Qual a responsabilidade dos pais na formação religiosa dos seus filhos?

A educação dos filhos é sem dúvida uma preocupação constante dos pais. E nos dias atuais, com a velocidade acelerada do mundo em que vivemos, com todos os avanços tecnológicos e com as contínuas mudanças à nossa volta, ficamos muito preocupados se a formação acadêmica que damos à nossos filhos será suficiente, para que um dia, eles enfrentem o mercado de trabalho e se sobressaiam na profissão escolhida.

E para que eles alcancem o sucesso profissional desejado investimos nas melhores escolas, em aulas extras curriculares, em curso de idiomas, enfim dentro das nossas possibilidades, nos esforçamos e buscamos oferecer o que consideramos ser a mais ampla educação curricular. Afinal, bons pais procuram sempre dar o melhor a seus filhos, e isso é nobre.

Mas, questiono vocês: será que temos essa mesma preocupação com a formação religiosa de nossos filhos? Será que estamos nos empenhando com o mesmo afinco na catequização das nossas crianças e adolescentes? Será que estamos plantando as sementes para que no futuro eles continuem trilhando um caminho de santidade e se destaquem como bons e comprometidos cristãos?

É preciso que nos conscientizemos que a base religiosa e formativa que as crianças recebem de seus pais as influenciarão durante toda a sua vida. Além disso, a Igreja nos instrui que essa educação para a fé, por parte dos pais, deve começar desde a mais tenra infância, pois são eles os primeiros catequistas dos seus filhos.

O Papa Francisco inclusive, nos faz um lembrete sobre a importância da catequese familiar, quando diz que a família tem a característica essencial, portanto, a "vocação natural de educar os filhos para que cresçam na responsabilidade de si e dos outros".

E o Catecismo da Igreja Católica também nos ensina que "Os pais são os primeiros responsáveis pela educação de seus filhos na fé, na oração e em todas as virtudes. Têm o dever de prover, na medida do possível, às necessidades físicas e espirituais de seus filhos" (n.2252). E ainda nos diz que: a família é "a Igreja doméstica" onde os filhos de Deus aprendem a orar e a perseverar na oração (cf.n. 2685).

Diante de tudo isso, venho hoje não só fazer um alerta, mas também fazer um apelo: Pais ensinem seus filhos à rezar! Porque a maior herança que podemos deixar aos nossos filhos é a fé.

Na Palavra de Deus, São Paulo nos ensina que "a fé entra pelo ouvido", quando nos diz: "E como crerão naquele de quem não ouviram falar? E como ouvirão falar, se não houver quem pregue?" (Romanos 10,14). Logo, será no dia a dia, ouvindo os ensinamentos cristãos dos pais que os filhos vão sendo doutrinados na fé. E com o passar dos dias, no seio da família aprenderão a crer em Deus e a respeitar tudo o que é sagrado.

Vale ressaltar e refletir ainda sobre outro ponto: dar testemunho. Porque mais do que com palavras, as crianças aprendem com os exemplos que observam e vivenciam no seu cotidiano.

O Papa Paulo VI afirmava que o homem moderno tem mais facilidade para seguir as testemunhas do que os mestres, isto é, acima de tudo, seus filhos irão analisar a maneira de seus pais serem Igreja dentro da sua própria família e copiarão esses modelos. Uma criança que vê o pai e a mãe rezarem reza também e naturalmente.

Portanto, pais, fiquem atentos! Busquem ser um exemplo constante para seus filhos, pois até mesmo as suas pequenas atitudes do dia a dia fazem toda a diferença na educação religiosa deles. Ou seja, é importante que os membros da família se ajudem mutuamente no crescimento da fé pelo testemunho de uma vida cristã de acordo com o evangelho.

Roberta Carvalho de Souza - Consagrada e missionária