Homilia do Papa Francisco comentou o Evangelho do dia (Lc 24,13-35)

26/04/2020

O Papa reza por quem está triste devido esta crise, mas Jesus está sempre ao nosso lado

Covid-19: Rezemos por quem sofre de tristeza

Francisco presidiu na Casa Santa Marta, no Vaticano, a Missa matutina deste III Domingo da Páscoa. Na introdução, dirigiu seu pensamento aos que se encontram aflitos pela tristeza no tempo da pandemia:

"Rezemos hoje, nesta Missa, por todas as pessoas que sofrem a tristeza, porque estão sozinhas ou porque não sabem qual futuro as aguarda ou porque não podem levar adiante a família porque não têm dinheiro, porque não têm trabalho. Muitas pessoas sofrem a tristeza. Rezemos hoje por elas."

Na homilia, o Papa comentou o Evangelho do dia (Lc 24,13-35) que conta o encontro de Jesus ressuscitado com os discípulos de Emaús e como estes reconheceram o Senhor ao partir o pão. O cristianismo - disse Francisco - é um encontro com Jesus, o cristão é alguém que se deixa encontrar pelo Senhor. Nascemos com uma semente de inquietude, mesmo sem sabê-lo: nosso coração tem sede do encontro com Deus, busca-O, muitas vezes por caminhos errados. E Deus tem sede de encontrar-nos, a tal ponto que enviou Jesus para encontrar-nos, para vir ao encontro dessa inquietude. No Evangelho vemos que Jesus respeita o nosso caminho, segue nossos tempos, é o Senhor da paciência, caminha ao nosso lado, ouve nossas inquietações, as conhece. Jesus gosta de ouvir como falamos. Não acelera o passo: é a sua paciência. Jesus acompanha o passo da pessoa mais lenta. Jesus ouve, depois responde, explica, até o ponto necessário. Encontramos Jesus ao longo de todo o nosso caminho também em nossos momentos de escuridão: acompanha-nos porque tem vontade de encontrar-nos. Por isso digamos que o núcleo do cristianismo é o encontro com Jesus. Alguns encontram Jesus sem se dar conta. A vida da graça tem início quando encontramos Jesus. Que o Senhor - foi a oração conclusiva do Papa - nos dê a graça de encontrá-Lo e saber que caminha conosco em todos os momentos: é o nosso companheiro de peregrinação.

A seguir, o texto da homilia transcrita pelo Vatican News

Muitas vezes ouvimos que o cristianismo não é somente uma doutrina, não é um modo de comportar-se, não é uma cultura. Sim, é tudo isso, mas mais importante, e por primeiro, é um encontro. Uma pessoa é cristã porque encontrou Jesus Cristo, deixou-se encontrar por Ele.

Esta passagem do Evangelho de Lucas nos fala de um encontro, o modo de entender bem como o Senhor age, como é nosso modo de agir. Nascemos com uma semente de inquietude. Deus quis assim: inquietude de encontrar plenitude, inquietude de encontrar Deus, muitas vezes mesmo sem saber que temos essa inquietude. Nosso coração é inquieto, nosso coração tem sede: sede do encontro com Deus. Busca-O, muitas vezes por caminhos errados: se perde, depois retorna, busca-O... Por outro lado, Deus tem sede do encontro, a tal ponto que enviou Jesus para encontrar-nos, para vir ao encontro dessa inquietude.

Como Jesus age? Nesta passagem do Evangelho vemos bem que Ele respeita, respeita nossa própria situação, não segue adiante. Somente, algumas vezes, com os cabeça-dura, pensemos em São Paulo, não?, quando o derruba do cavalo. Mas habitualmente segue lentamente, respeitoso dos nossos tempos. É o Senhor da paciência. Quanta paciência o Senhor tem com cada um de nós! O Senhor caminha ao nosso lado.

Como vimos aqui com esses dois discípulos, ouve nossas inquietudes - as conhece! - e a um certo ponto diz algo. O Senhor gosta de ouvir como falamos, para entender bem e para dar a resposta justa àquela inquietude. O Senhor não acelera o passo, acompanha sempre nosso passo, muitas vezes lento, mas a sua paciência é assim.

Há uma antiga regra dos peregrinos que diz que o verdadeiro peregrino deve caminhar no passo da pessoa mais lenta. E Jesus é capaz disso, o faz, não acelera, espera que demos o primeiro passo. E quando tem o momento, nos faz a pergunta. Nesse caso é claro: "O que ides conversando pelo caminho?", se faz de desconhecedor para nos levar a falar. Ele gosta que nós falemos. Ele gosta de ouvir isso, gosta que nós falemos assim. É uma coisa que para ouvir-nos e responder nos faz falar, como se fizesse desconhecedor, mas com muito respeito. E depois responde, explica, até o ponto necessário. Aqui nos diz que: "'Será que o Cristo não devia sofrer tudo isso para entrar na sua glória?' E, começando por Moisés e passando pelos Profetas, explicava aos discípulos todas as passagens da Escritura que falavam a respeito dele". Explica, esclarece.

Confesso que tenho a curiosidade de saber como Jesus explicou, para fazer o mesmo. Foi uma catequese belíssima. E depois o próprio Jesus que nos acompanhou, que nos aproximou, faz de conta que vai mais adiante para ver a medida da nossa inquietude: "Não, vem, vem, fica um pouco conosco". Assim se dá o encontro. Mas o encontro aqui não é somente o momento do partir o pão, mas é todo o caminho. Nós encontramos Jesus na escuridão das nossas dúvidas. Também na dura escuridão dos nossos pecados. Ele está ali para ajudar-nos, em nossas inquietudes. Está sempre conosco.

O Senhor nos acompanha porque tem vontade de encontrar-nos. Por isso dizemos que o núcleo do cristianismo é um encontro: é o encontro com Jesus. Por que você é cristão? Por que você é cristã? E muitas pessoas não sabem dizê-lo. Algumas, por tradição, mas outras não sabem dizê-lo, porque encontraram Jesus, mas não se deram conta de que era um encontro com Jesus. Jesus sempre nos busca. Sempre. E nós temos nossa inquietação. No momento que nossa inquietude encontra Jesus, aí começa a vida da graça, a vida da plenitude, a vida do caminho cristão.

Que o Senhor nos dê a todos essa graça de encontrar Jesus todos os dias, de saber, de conhecer propriamente que Ele caminha conosco em todos os nossos momentos. É nosso companheiro de peregrinação.

O Santo Padre terminou a celebração com a adoração e a bênção eucarística, convidando a fazer a Comunhão espiritual. A seguir, a oração recitada pelo Papa:

Meu Jesus, eu creio que estais presente no Santíssimo Sacramento do Altar. Amo-vos sobre todas as coisas, e minha alma suspira por Vós. Mas, como não posso receber-Vos agora no Santíssimo Sacramento, vinde, ao menos espiritualmente, a meu coração. Abraço-me convosco como se já estivésseis comigo: uno-me Convosco inteiramente. Ah! não permitais que torne a separar-me de Vós!

Antes de deixar a Capela dedicada ao Espírito Santo foi entoada a antífona mariana "Regina caeli", cantada no tempo pascal:

Rainha dos céus, alegrai-vos. Aleluia!

Porque Aquele que merecestes trazer em vosso seio. Aleluia!

Ressuscitou como disse. Aleluia!

Rogai por nós a Deus. Aleluia!

D./ Alegrai-vos e exultai, ó Virgem Maria. Aleluia!

C./ Porque o Senhor ressuscitou, verdadeiramente. Aleluia!