FORMAÇÃO


Como São José nos ensina a ser pai

José, filho de Davi, não temas receber Maria por esposa, pois o que nela foi concebido vem do Espírito Santo (Mt 1, 20).

Aqui no Brasil o dia dos pais é comemorado no 2º domingo do mês de Agosto, no entanto em diversos países o dia dos pais é comemorado em 19 de março, dia de São José, pai adotivo de Jesus Cristo e exemplo e imitação maior do que é ser um Pai.

Independente do nosso Estado de Vida, é importante conhecermos São José e procurar viver como ele viveu. A fonte pura desse conhecimento é a Sagrada Escritura, Tradição e Magistério da Igreja.

Nas Sagradas Escritura, São José é mostrado como um homem justo, obediente e temente a Deus, que deixou que os Sonhos de Deus habitassem os seus sonhos, que colocou a vontade de Deus acima das suas vontades, que diante das ameaças a vida do seu Filho adotivo Jesus, largou tudo e fugiu para o Egito, aguardando com paciência a voz dos Anjos para voltar para a sua terra.

Nos Evangelhos temos poucas passagens citando São José, mas são suficientes para podermos conhece-lo e procurar viver como ele viveu.

O seu silêncio nos ensina a nos calar para podermos ouvir a voz de Deus. Um homem de fé que acreditou nos desígnios de Deus mesmo revelada em simples sonhos, aquele que recebeu Maria mesmo desafiando as leis da sua época.

José, filho de Davi, não temas receber Maria por esposa, pois o que nela foi concebido vem do Espírito Santo (Mt 1, 20).

Essa passagem sintetiza São José no acolhimento a Maria e a Jesus e a todos que os buscam, vivendo de uma maneira simples e devotando sua vida aos cuidados de Jesus e Maria, sendo um pai presente, piedoso e influente.

Imitar São José para nós consagrados da Eis o Cordeiro de Deus não é simplesmente uma devoção, pois é algo muito mais profundo, que forma a nossa própria identidade que nos aproxima de Maria, com o mais profundo amor que um homem pode dar a sua família.

Nosso Santo de imitação, nosso primeiro baluarte, aquele em que pôr primeiro ecoou o Sim de Maria, concretizando a obra salvadora de Deus nas nossas vidas. Imitarmos São José em nossas atitudes como pais. Ser presença, ser modelo de homem que acolhe, respeita, ama e acima de tudo o doar-se em cada necessidade. Desprender de si para dar o melhor e o necessário aos filhos.

Nesse dia comemorativo, que nós, por dádiva de Deus somos pais, possamos cuidar e educar nossa família como São José fez. Que nós como filhos, independente de nossos pais serem vivos ou não, possamos agradece-los por podermos estar aqui e que peçamos a poderosíssima intercessão de São José para que os nossos relacionamentos, em diversos casos, sejam restaurados.

Que São José interceda por nossas famílias, para que nossos relacionamentos sejam restaurados, que nos ensine como Pai e como filhos a amar como ele amou, cuidar com ele cuidou, viver com ele viveu.

São José, intercedei por nós!

Por José Roberto Saraiva - Missionário Eis o Cordeiro de Deus 


Qual a responsabilidade dos pais na formação religiosa dos seus filhos?

A educação dos filhos é sem dúvida uma preocupação constante dos pais. E nos dias atuais, com a velocidade acelerada do mundo em que vivemos, com todos os avanços tecnológicos e com as contínuas mudanças à nossa volta, ficamos muito preocupados se a formação acadêmica que damos à nossos filhos será suficiente, para que um dia, eles enfrentem o mercado de trabalho e se sobressaiam na profissão escolhida.

E para que eles alcancem o sucesso profissional desejado investimos nas melhores escolas, em aulas extras curriculares, em curso de idiomas, enfim dentro das nossas possibilidades, nos esforçamos e buscamos oferecer o que consideramos ser a mais ampla educação curricular. Afinal, bons pais procuram sempre dar o melhor a seus filhos, e isso é nobre.

Mas, questiono vocês: será que temos essa mesma preocupação com a formação religiosa de nossos filhos? Será que estamos nos empenhando com o mesmo afinco na catequização das nossas crianças e adolescentes? Será que estamos plantando as sementes para que no futuro eles continuem trilhando um caminho de santidade e se destaquem como bons e comprometidos cristãos?

É preciso que nos conscientizemos que a base religiosa e formativa que as crianças recebem de seus pais as influenciarão durante toda a sua vida. Além disso, a Igreja nos instrui que essa educação para a fé, por parte dos pais, deve começar desde a mais tenra infância, pois são eles os primeiros catequistas dos seus filhos.

O Papa Francisco inclusive, nos faz um lembrete sobre a importância da catequese familiar, quando diz que a família tem a característica essencial, portanto, a "vocação natural de educar os filhos para que cresçam na responsabilidade de si e dos outros".

E o Catecismo da Igreja Católica também nos ensina que "Os pais são os primeiros responsáveis pela educação de seus filhos na fé, na oração e em todas as virtudes. Têm o dever de prover, na medida do possível, às necessidades físicas e espirituais de seus filhos" (n.2252). E ainda nos diz que: a família é "a Igreja doméstica" onde os filhos de Deus aprendem a orar e a perseverar na oração (cf.n. 2685).

Diante de tudo isso, venho hoje não só fazer um alerta, mas também fazer um apelo: Pais ensinem seus filhos à rezar! Porque a maior herança que podemos deixar aos nossos filhos é a fé.

Na Palavra de Deus, São Paulo nos ensina que "a fé entra pelo ouvido", quando nos diz: "E como crerão naquele de quem não ouviram falar? E como ouvirão falar, se não houver quem pregue?" (Romanos 10,14). Logo, será no dia a dia, ouvindo os ensinamentos cristãos dos pais que os filhos vão sendo doutrinados na fé. E com o passar dos dias, no seio da família aprenderão a crer em Deus e a respeitar tudo o que é sagrado.

Vale ressaltar e refletir ainda sobre outro ponto: dar testemunho. Porque mais do que com palavras, as crianças aprendem com os exemplos que observam e vivenciam no seu cotidiano.

O Papa Paulo VI afirmava que o homem moderno tem mais facilidade para seguir as testemunhas do que os mestres, isto é, acima de tudo, seus filhos irão analisar a maneira de seus pais serem Igreja dentro da sua própria família e copiarão esses modelos. Uma criança que vê o pai e a mãe rezarem reza também e naturalmente.

Portanto, pais, fiquem atentos! Busquem ser um exemplo constante para seus filhos, pois até mesmo as suas pequenas atitudes do dia a dia fazem toda a diferença na educação religiosa deles. Ou seja, é importante que os membros da família se ajudem mutuamente no crescimento da fé pelo testemunho de uma vida cristã de acordo com o evangelho.

Roberta Carvalho de Souza - Consagrada e missionária 


Como é Ser um Missionário Eis O Cordeiro De Deus  

Em primeiro lugar é importante ficar claro o que é ser um "missionário".

No dicionário da língua portuguesa a palavra missionário tem a definição de "aquele que assumiu a missão de realizar uma tarefa ou promover a sua concretização". A palavra missão deriva do latim, "missio", que significa "envio", ou seja, é o ato de enviar ou de ser enviado; portanto, alguém que é enviado para executar algo.

O Papa Francisco vai nos dizer que o missionário é o servidor que fala, que deseja falar aos homens e mulheres de hoje, como Jesus falava às pessoas de seu tempo e conquistava o coração das pessoas que iam ouví-lo e ficavam admirados com os seus ensinamentos". (VATICANO 01 out 15).

Ide por todo mundo e pregai o Evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado. (Mc 16,15-16).

O próprio Jesus envia os apóstolos, eles foram os primeiros missionários. Para sermos missionários católicos precisamos receber os sacramentos. Ao sermos batizados deixamos de ser pagãos e nos tornamos filhos de Deus, templos do Espírito Santo.

Uma vez batizados somos consagrados a Deus. Todo batizado é um missionário. O missionário, seja pelo batismo, confirmado no Crisma; ou ainda, a um chamado pela entrega, mais radical, de sua vida a um Carisma específico, é chamado a seguir e imitar a Cristo "mais de perto". É preciso amar a Deus e os irmãos, amar a Igreja.

Nós, Eis o Cordeiro de Deus, somos chamados a viver nosso batismo com autenticidade.

Quando somos chamados a falar de alguém é necessário conhecer essa pessoa, de modo que falemos com clareza dela. Os apóstolos foram homens que falaram de Jesus; falaram o que ouviram e falaram do que viram Jesus fazer. Eles tinham intimidade com o Senhor. Testemunharam o que Jesus fez em suas vidas e na vida de muitos. A intimidade se faz no dia a dia, no momento do encontro pessoal, através da oração, da lectio divina.

"E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos sua glória, a glória que o Filho único recebe do seu Pai, cheio de graça e de verdade."(Jo 1,14)

Nós, consagrados no Carisma Eis o Cordeiro de Deus, somos chamados a encarnar a Palavra, lutando para vivenciá-la, vivendo a Verdade que é o próprio Jesus. É a razão da nossa vida. O Cordeiro se fez carne no seio da Virgem Maria para nos restaurar, para nos libertar das trevas em que nos encontrávamos. Se o Verbo se faz carne em meu coração eu levo Jesus ao outro através da missão que Ele me confiou, sou missionário onde Ele quer. Sou missionário na realidade em que me encontro: dentro da própria família, comunidade, trabalho, faculdade.

"O Verbo era a verdadeira luz que vindo ao mundo, ilumina todo homem".(Jo 1,9)

Jesus é a luz que ilumina todo nosso ser, nos fazendo sair das amarras de pecado, transformando nosso interior. Nós levamos a luz do Cordeiro que tira o pecado do mundo. Jesus veio retirar as misérias do mundo e salvar a humanidade. Pregamos a Palavra de Deus, levando a todos a tomar consciência de que é preciso encarná-la, vivendo a Verdade que é o próprio Jesus, para que também aconteça restauração em suas vidas. Ser Eis o Cordeiro de Deus é ser Cordeiro para restaurar a imagem de Deus onde o pecado a distorceu.

Jesus é o nosso Salvador. Ele é o sacrifício perfeito. Ele foi incansável em sua missão. Como Jesus foi obediente ao Pai até a morte, nós precisamos ofertar a Deus nossos sonhos e projetos, sendo obedientes, para que transbordantes de sua graça possamos corresponder aos projetos de Deus com alegria. Permitindo que Jesus seja Senhor de nossas vidas seremos cheios do Espírito Santo, estaremos onde Deus quer e faremos aquilo que Ele deseja.

Devemos ser íntimos e obedientes à Virgem Maria como Jesus foi. Termos nosso encontro com a Virgem Santíssima, onde entraremos em diálogo com Ela, sendo dóceis a tudo o que Ela nos disser. Como Maria somos intercessores, clamando a Deus por todas as intenções que o próprio Espírito nos inspira a orar ou as intenções que chegam até a nós. Uma intercessão perene, por tudo que acontece no mundo e no nosso país.

A vida de oração, meditação da Palavra, amor à Eucaristia, amor à Virgem Maria e o serviço à Igreja é a razão de nossas vidas.

Estamos dedicados ao serviço da Igreja, como o Cordeiro que veio para servir e ensinar a Verdade, o Caminho que nos conduz à vida eterna.

Cláudia Maria Paiva Rodrigues Monteiro - Consagrada e missionária


Falar de Maria é falar de Amor.

Amor puro, forte, único, intenso e verdadeiro.

Amor que é decisão, persistência, paciência e emoção.

Amor que transborda do peito e que nos renova a cada instante.

Amor fortaleza e amor singelo.

Amor de Mãe, Amor sincero!

É dentro desse amor, que nos envolve esta Mulher, escolhida por Deus para gerar o Salvador, o seu Filho Amado, Nosso Senhor!

Maria que disse Sim a Deus e nos beneficiou com a redenção.

Maria que acompanhou os passos de Jesus até a salvação.

Maria que ensinou, educou e preparou Jesus para assumir sua missão.

Maria, que em Caná da Galiléia soube a hora certa de Jesus realizar o primeiro Milagre, pois conhece Seu Filho melhor do que ninguém.

Maria nos ensina a ser mãe no dia a dia, no diálogo, no silêncio, no encontro pessoal com Deus e com ELA. Maria nos direciona, nos orienta e nos ajuda. Seu amor grandioso nos surpreende e nos sustenta, nos acalenta e nos renova a cada dia.

Maria nos ensina a ser mãe com seu exemplo de mulher humilde, forte, dedicada, zelosa, perspicaz e acima de tudo dócil a vontade de Deus.

Maria nos dá segurança, esperança e sabe a medida certa de ser MÃE, pois passou por todos os reveses da vida; do nascimento até a morte. Sentiu exatamente todas as dores, mas sempre permaneceu de pé e jamais abandonou seu Filho.

É no aconchego de seu colo, que devemos entregar nossos filhos e confiar na sua intercessão; permitindo que Ela nos forme dando-nos a direção.

Cristiane da Silva Telles - Missionária Eis o Cordeiro de Deus  em 07/05/2020.